Basílicas e Igrejas

 Basílica de São João de Latrão

É definida a catedral da Itália e do mundo. Foi fundada pelo Papa Milquíades, nas propriedades dos Plauzi Laterani, doadas pelo Imperador Constantino ao pontífice, juntamente com o grande quartel dos equites singulares (a cavalaria pessoal do imperador), sobre as suas ruínas foi construída a Basílica. A igreja tem 5 naves, primeiro foi dedicada ao Salvador, depois aos Santos João Batista e Evangelista. Foi restaurada por São Leão Magno e por Adriano I, danificada por um terremoto em 896, foi reconstruída por Sérgio III em 905 e decorada por Nicolau IV em 1288-1292. Foi reconstruída várias vezes pelos papas Urbano V e Gregório XI e finalmente, Inocêncio X, em visita ao Jubileu de 1650, encarregou Borromini para remodelá-la completamente.

Basílica de São Paulo Fora de Muros


É também chamada Basílica Ostiense, a maior de Roma depois de São Pedro. Depois de Constantino, foi ampliada por Valentiniano e Teodósio, depois foi realizada por seu filho Honório. É uma basílica com cinco naves, divididas por 80 colunas, a maior igreja da Cristandade, antes do moderno São Pedro. A sua construção remonta ao século IV d.C., no local onde foi sepultado São Paulo. A basílica tem um campanário com 5 andares, os primeiros 3 com planta quadrada, o 4 octogonal e o último em forma de templo circular com colunas coríntias, foi construído por Poletti, em substituição ao anterior o românico-gótico, danificado pelo incêndio. Interessante no interior da basílica do teto de caixotões com rica ornamentação dourada num fundo branco, e um cibório de Arnolfo di Cambio, construído em 1285, um exemplo impressionante de arte gótica e apoiado por 4 elegantes colunas de pórfiro com capitéis de mármore dourado, e mosaicos de Pietro Cavallini contemporâneo de Giotto como claramente o claustro começado no início de 1200, pela família Vassalletto.

Basílica de São Clemente al Laterano

A igreja é dedicada a Clemente, o terceiro pontífice da história que, segundo a lenda, após ter sido exilado na Crimeia foi atirado ao Mar Negro amarrado a uma âncora. A basílica original, construída em 385, foi destruída em 1084 pelos normandos. Foi reconstruída em 1108 por Pasquale II sobre as duas igrejas anteriores, que foram redescobertas em 1857. Fachada: a entrada é formada por um alpendre do século XII, que leva a um quadripórtico com colunas jônicas. A fachada tardobarroca é a obra de Carlo Stefano Fontana; Planta interna: em forma de basílica; Naves com três absides; Presbitério: por cima da cripta está o tabernáculo sustentado por quatro colunas preciosas de “pavonazzetto”; Abside: grande mosaico da escola romana do século XII; Afrescos: Giuseppe Chiari, Masolino da Panicale.

Basílica de Santa Maria Maior
 
É a quarta das basílicas patriarcais de Roma, depois de São Paulo Fora de Muros, São Pedro e São João de Latrão. É também conhecida como a Libéria, porque identifica-se com uma basílica construída pelo Papa Libério no ponto que lhe foi indicado por uma queda de neve no verão, realmente também era conhecida como Santa Maria da Neve. Foi erguida pelo Papa Sisto III em 432, logo após o Concílio de Éfeso, que deu à Virgem Maria o título de Mãe de Deus. Nicolau IV refez a abside, Clemente X a fachada principal. O campanário românico de 1377, com cúspide piramidal é o mais alto de Roma com cerca de 75 metros. A basílica tem 3 naves, divididas por colunas de mármore e granito, com capitéis iônicos, tem um belo piso cosmatesco do século XII e um teto de caixotões atribuído a Giuliano Sangallo, e dourado, com o que foi o primeiro ouro chegado da América para a Itália. A basílica mantém tanto as memórias mais antigas, como os seus mosaicos famosos, assim como as modernas, a decoração da famosa Capela Paulina, ou Borghese.