Villas e Jardins

VILLA BORGHESE

Villa Borghese é o parque citadino mais famoso de Roma. No seu interior, está localizada a Galeria com o mesmo nome e na qual estão expostas algumas obras importantes, as esculturas de Antonio Canova, as pinturas de Michelangelo Merisi dito Caravaggio. Um pouco mais a sul, em frente à Piazza di Siena, onde todos os anos no mês de Maio, efetua-se a competição equestre de Roma, está o museu dedicado a Pietro Canonica, escultor e compositor nascido em Moncalieri em 1869

Na entrada do parque da Via Porta Pinciana pode alugar bicicletas, tandem, bicicletas de montanha, enquanto que no lago pode alugar pequenos barcos. Em Galoppatoio pode em vez subir de balão elétrico, onde vai apreciar um ótimo panorama geral do centro histórico.

A parte adjacente à Piazza del Popolo, o Pincio, é famosa em vez pelo seu panorama  sobre o Vaticano e o Monte Mario. A rota continua a partir de Piazzale Flaminio, na entrada principal do parque. Na adjacente Piazza del Popolo, a Igreja de Santa Maria acolhe internamente um património inestimável de arte, de Caravaggio a Pinturicchio. Prossegue-se a partir de Piazzale Flaminio, tomando o elétrico 225, que leva ao Museu Etrusco e à Galeria Nacional de Arte Moderna.

VILLA MEDICI

A villa, sede da Academia de França, a Trinità dei Monti, foi iniciada na segunda metade do século XVI e foi comprada em 1576 pelo cardeal Ferdinando de Médici. Os jardins que se desenvolveram ao longo das avenidas cercadas por sebes altas, são decorados com estátuas, sarcófagos e fontes.

Quando no século XVIII era a sede da Embaixada de Florença, na ocasião das festas foram ativados os esplêndidos jogos de água. Com a extinção dos Medici a villa  tornou-se propriedade dos governantes da Toscana e através dos mesmos de Napoleão Bonaparte, que fez dela a sede da Academia Francesa. Desde 1928 o edifício foi aberto ao público, alberga obras de arte.

VILLA DORIA PAMPHILI

A villa que se tornou em 1971 no maior parque público da cidade, é frequentada por apaixonados de jogging e donos de cães. O mais antigo no número 183 da Via Aurelia Antica, é o edifício dito Villa Vecchia, já existia quando Panfilo Pamphili o comprou em 1630.

A villa nova foi construída entre 1644 e 1652 por Algardi e Grimaldi, quando era  papa Inocêncio X Pamphili. As salas com ricos afrescos da villa, onde se entrava pela Via Aurelia 111, foram decoradas com uma coleção de estátuas, agora nos Museus Capitolinos. Seguiram-se alterações e ampliações da villa e novas construções até ao século XIX. Depois da guerra da República Romana em 1849, a vila foi unida à Villa Corsini e a entrada da Via di Porta San Pancrazio se tornou a principal.

VILLA D’ESTE


Villa d'Este, uma obra-prima do jardim italiano e considerado Património Mundial pela UNESCO, com a sua impressionante concentração de fontes, ninfas, grutas, jogos de água e música, constitui um modelo muito copiado nos jardins europeus do maneirista e do barroco. O jardim é geralmente considerado extraordinário na paisagem, artístico e histórico de Tivoli, que apresenta as ruínas importantes de moradias antigas como a Villa Adriana, como uma área rica em cavernas e cascatas, símbolo de uma guerra milenária entre pedra e água. As imponentes construções e os terraços sobre os terraços trazem à mente os Jardins Suspensos da Babilônia, uma das maravilhas do mundo antigo, enquanto que o abastecimento da água, com um aqueduto e um túnel sob a cidade, evocam a habilidade da engenharia dos romanos.

VILLA ADRIANA


A Villa Adriana em Tivoli foi construída desde 117 a.C. pelo Imperador Adriano como sua residência imperial longe de Roma, e é a mais importante e complexa Villa que permaneceu da antiguidade romana, sendo tão ampla como e mais do que Pompéia (pelo menos 80 hectares).

Junta-se às fileiras dos Monumentos do Património Mundial da UNESCO em 1999, a Villa Adriana, partilha com muitos outros sítios arqueológicos famosos do paradoxo de ser conhecida e escavada por mais de 500 anos, mantendo-se em grande parte desconhecida na sua substância.

A Villa Adriana viveu até ao final da Antiguidade, após ter sido saqueada por Totila, experimentou longos séculos de negligência, durante os quais  se tornou "Tivoli Velho", reduzida a tijolo vazado e mármore pela cidade vizinha de Tivoli e seu bispo. No final do século XV, Flavio Biondo identificou-a novamente como Villa do Imperador Adriano da qual falava a História Augusta, e, no mesmo período o Papa Alexandre VI Borgia promoveu as primeiras escavações no Odeon, durante as quais foram descobertas as estátuas de Muse atualmente sentadas no Museu do Prado em Madrid. Sua fama foi consagrada pelo Papa Pio II Piccolomini, que a visitou e descreveu-a nas suas narrações.