Galerias e Museus

 MUSEUS VATICANOS

O primeiro núcleo dos Museus Vaticanos foi a coleção de estátuas formada por Júlio II e colocada no «Pátio das Estátuas», hoje Pátio Octágono. Na sua forma de coleções artísticas ordenadas em edifícios específicos acessíveis ao público, os Museus e as Galerias Pontifícias têm origem desde Clemente XIV e Pio VI, e, portanto; primeiro chamava-se Museu Pio-Clementino. Pio VII ampliou-o muito juntando-o ao Museu Chiaramonti, a ala Nova e a Galeria Lapidaria.

Gregório XVI fundou o Museu Etrusco (1837), com as relíquias encontradas em escavações no sul da Etruria de 1828 em diante, o Museu Egípcio (1839) com os monumentos egípcios de explorações feitas no Egito e com as que estavam espalhadas em museus de arte clássica e também no Museu Capitolino, o Museu Profano de Latrão (1844), com estátuas, baixos-relevos, mosaicos do período romano que não poderiam ter lugar nos Palácios Vaticanos. No Museu Profano de Latrão, Pio IX em 1854, acrescentou o Museu Cristão, incluindo esculturas, especialmente sarcófagos e inscrições cristãs antigas, e mais tarde (1856-1869) duas salas de monumentos retirados das escavações de Ostia realizados em San Ercolano e S. Aurea; depois em 1866, pelo príncipe A. Torlonia in Porto. Sob o pontificado de São Pio X, em 1910, foi adicionada uma seção contendo 137 inscrições de antigos cemitérios hebreus de Roma, em grande parte do cemitério na Via Portuense e doado pelos proprietários Marqueses Pellegrini-Quarantotti. Estas duas coleções foram transportadas, por ordem de João XXIII, do Palácio de Latrão para um novo edifício construído de propósito no Vaticano; em 1970 foram reabertas ao público, sob o nome de Gregoriano Profano e Museu Pio Cristão.

GALERIA BORGHESE


O núcleo mais importante das esculturas e das pinturas na Galeria Borghese remonta  à coleção do cardeal Scipione (1579-1633), filho de Ortensia Borghese, irmã do Papa Paulo V e de Francesco Caffarelli, mas os acontecimentos dos próximos três séculos, entre perdas e aquisições deixaram muitas marcas.

A atenção do cardeal Scipione foi atraída para todas as obras de arte antiga, renascentista e contemporânea, destinadas a evocar uma nova era dourada. Não particularmente interessado na arte medieval, procurou em vez, com paixão, a escultura antiga. Mas a ambição do cardeal incentivou a criação de novas esculturas e especialmente os grupos de marmoreiros que se confrontavam com as obras antigas.

O retrato de Pauline Bonaparte Borghese, efetuado por Canova entre 1805 e 1808, está na Villa desde 1838. Em 1807, Camillo Borghese vendeu a Napoleão 154 estátuas, 160 bustos, 170 baixos-relevos, 30 colunas e vários vasos que compõem o fundo Borghese do Louvre. Mas já na terceira década do século XIX as graves lacunas parecem ter  sido preenchidas por novos materiais provenientes de recentes escavações arqueológicas e com obras recuperadas das adegas e de várias outras residências Borghese.


VITTORIANO


Também chamado de Vittoriano surge na Piazza Venezia. Foi erguido em pedra calcária branca em 1885 e inaugurado em 1911, mas a sua conclusão real levou quase vinte anos. Símbolo da unificação da Itália desde 1921 também foi considerado o altar da Pátria. Dois sentinelas de honra vigiam continuamente o túmulo do "Soldado Desconhecido", contendo os restos mortais de um soldado desconhecido que morreu na Primeira Guerra Mundial.


Uma enorme escadaria, ladeada por leões alados e duas Vitórias de bronze, levam ao altar da Pátria. O Altar da Pátria apresenta altos relevos de Angelo Zanelli com a estátua de Roma no centro. No meio do monumento está a estátua equestre gigantesca de Vittorio Emanuele II realizada em bronze por Enrico Chiaradia. Atrás o monumento é completado com o grande pórtico com colunas de 15 metros de altura e duas carruagens de bronze colossais com Vitórias realizadas por Carlo Fontana e Paolo Bartolini.

PALÁCIO ALTEMPS

O edifício atual é o ponto de chegada no Renascimento de uma série de edifícios que ocupavam a zona de forma contínua desde os tempos antigos.

Em 1568 o cardeal Marco Sittico Altemps dá à família do Cardeal Soderini, então proprietária do edifício, uma soma de 19.000 escudos tornando-se proprietário do edifício. Já no ano seguinte, iniciaram os primeiros trabalhos de limpezas e obras, que duraram cerca de três décadas.

Efetuam-se as decorações e os acabamentos, são adicionados e ampliados ambientes. Artistas como Lattanzio Bonastri, Martino Longhi, Pandolfo del Grande, Giacomo della Porta alternam-se na implementação das várias intervenções.

O arquiteto Francesco da Volterra verifica a execução dos acessórios internos, tais como molduras, portas, parapeitos, paredes, pisos, principalmente nos salões onde se realizam os tetos em madeira. Em 1695 fecha-se esta fase de transformações substanciais iniciadas por Marco Sittico Altemps.

VILLA FARNESINA


A Villa Farnesina está localizada em frente ao Palazzo Corsini na via della Lungara. Foi construída de 1506 a 1510 pela vontade do banqueiro de Siena Agostino Chigi. Com a morte do banqueiro esta villa passou por um período de declínio, durante o qual foi privada das obras de arte que mantinha. Em 1577 a villa foi comprada pelo Cardeal Alessandro Farnese. Desde então, ela é conhecida como Villa Farnesina. A villa é constituída por um bloco central com um alpendre com cinco arcadas e dois postos avançados laterais. O design do edifício é simples combina bem com o jardim circundante. Ao átrio do século XIX  juntou-se diretamente a Loggia de Psique, admiravelmente afrescada em 1517 pelos alunos de Raffaello.