Descobrir roma

Roma é maravilhosa e imensa. Era e é caput mundi. O que posso recomendar aos meus clientes para se sentirem já aqui, no centro da Cidade Eterna? Uma viagem simples e extraordinária, Via del Corso: o endereço da sua suíte.

É o meu passeio preferido, da Piazza Venezia à Piazza del Popolo, a partir do Altar da Pátria até às obras-primas de Caravaggio. Ao longo de 1.500 metros, revejo todos os dias mais de 2000 anos de história. E são os belos edifícios, museus, igrejas, e, claro, a estrada, o percurso que na época do imperador Augusto foi chamado de "Via Lata". Em 1466, o Papa Paulo II decidiu celebrar a festa de carnaval, e em particular a corrida de cavalos árabes, mesmo ao longo desta direção e, desde então, a estrada ficou com o nome, de fato, Via del Corso. Nome que se manteve mesmo após a abolição da corrida de cavalos em 1883.

Posso apresentar-vos aos vossos "vizinhos"? Enquanto isso, o quinto monumental da Piazza Venezia, o Altar da Pátria: a partir do terraço pode desfrutar de um panorama espectacular sobre toda a cidade. Então, em frente ao lado esquerdo do hotel fica o Palazzo Bonaparte, casa da mãe de Napoleão.

Continuamos? Em frente à direita e já se podem admirar as obras-primas da Galleria Doria Pamphili, uma das mais valiosas coleções de arte de Roma. Mais alguns passos e está em frente da magnífica Piazza Colonna - com o nome da Coluna de Marco Aurélio erigida em 192 AD - e o Palazzo Chigi, sede do governo italiano. Vire à esquerda e a poucos passos chega ao Panteão.

Se quiser continuar comigo, chegamos ao cruzamento com a Via Condotti. Um pouco de "shopping" ou diretamente um café no Caffè Greco? E a seguir? Está bem. Então, continuando, chegamos em frente à deslumbrante Piazza del Popolo. À esquerda fica o Caffè Rosati, e quem ama o filme "Férias em Roma" vai se lembrar de Audrey Hepburn e Gregory Peck sentados a estas mesas. Além do obelisco, está também a Igreja de Santa Maria del Popolo: duas das mais fantásticas obras de Caravaggio estão aqui. Agora tenho que voltar para o hotel, mas pode continuar a apreciar o espetáculo de Roma.

Natalino Gisonna

Arqueologia

COLISEU 


O anfiteatro Flávio inaugurado em 80 d.C. pelo imperador Tito com o nome de Amphitheatrum Caesareum, derivou o nome de Coliseu no século XI da colossal estátua de bronze de Nero que ficava perto da edifícação inspirada no Colosso de Rodes, obra de Carés de Lindos do III século a.C. Tinha 52 metros de altura, incluía, numa área de aproximadamente 19.000 m², quatro ordens ou planos de 80 arcos cada um e continha cerca de 70.000 lugares. A distribuição de lugares era feita nos cinco setores nos quais era dividida a cávea e eram atribuídos às diferentes classes sociais, cujo grau decrescia com o aumento da altura: a partir do maenianum primum para o maenianum summum in ligneis - o setor mais elevado, para a plebe. No centro do eixo maior ficava o pulvinar, o palco do imperador; a este também era reservado uma passagem particular subterrânea, hipogeu, escavada nas fundações do edifício, conhecida como a "passagem de Cômodo". No complexo sistema subterrâneo realizavam-se atividades relacionadas com os espetáculos e estavam colocados guinchos para a elevação de animais e de equipamentos do palco no piso da arena.

DOMUS AUREA 


A Domus Aurea, a mãe dos subterrâneos romanos. Esta afirmação não é certamente a caso sendo a morada de Nero, o hipogeu mais vasto e fascinante que Roma conserva nas entranhas de sua terra. A Domus Aurea ainda preserva intactas as pinturas originais, as salas da alcova, e as dos triclínios; os longos criptopórticos; todos formam um verdadeiro labirinto subterrâneo onde a trama pode-se mover quase que exclusivamente com a planta arqueológica e com alguma dificuldade. Nero decidiu construir o seu palácio, que segundo ele devia ser o maior e o mais valioso do mundo, após o famoso incêndio de 64 d.C. que destruiu três regiões e danificou quatro das quatorze de Augusto. O maior dano foi encontrado nas colinas Oppius, Fagutal e Carinae. Mesmo nesta zona, foi construído o novo palácio, a Domus Aurea precisamente. Suetônio descreve pomposamente a morada de Nero e certamente devemos dar-lhe crédito se somente levarmos as estruturas sobreviventes que também foram despidas dos elementos mais ricos antes de serem ocultadas durante o período de Trajano.

PANTEÃO

Localizado na Piazza della Rotonda perto da Piazza Minerva. Chama-se assim porque era um templo dedicado a várias divindades. Foi restaurado por Domiciano e sobreviveu quase intacto na reconstrução efetuada por Adriano em 130 d.C. Em 609 o templo foi doado pelo imperador Focas ao Papa Bonifácio IV e foi convertido numa igreja, o que favoreceu a sua excelente preservação até hoje. Quase tudo o que se pode admirar foi construído no tempo dos romanos, até mesmo a cúpula com 43,4 metros de altura e a maciça porta de bronze. A varanda é decorada internamente com valiosos mármores policromos e a sua fachada tem 16 colunas monolíticas de granito que têm 14 metros de altura. O interior tem uma planta circular caracterizada pela majestade da cúpula em caixotões. A única abertura é no centro da cúpula e cria um efeito luminoso que aumenta a grandiosidade e harmonia do monumento. Nas capelas internas podem-se encontrar inúmeras obras de arte, e onde também se encontram os túmulos dos Reais italianos, de Baldassare Peruzzi e de Taddeo Zuccari e, especialmente, o túmulo de Raffaello.

CASA DE AUGUSTO


Triunfos romanos - Relevos, bronzes, moedas, esculturas, pinturas: este material exposto, que nos fará entender o que significa "triunfo romano", visualizando o conceito e contando como se faziam as cerimônias para as festividades. São várias as seções apetrechadas: a primeira está relacionada com a evolução do Triunfo do mundo etrusco para o mundo helenístico; a segunda seção mostra imagens de vencedores e perdedores ilustres - incluindo Emílio Paulo, César, Pompeu até Octaviano - e também reproduz cenas de batalha.
Visita à Casa de Augusto o Fórum Romano - Recentemente inaugurada após 20 anos de restauração, a Casa de Octaviano Augusto, o Fórum Romano, onde morou Augusto antes de se tornar imperador, agora está finalmente aberta ao público. Algumas decorações das paredes e das abóbadas foram encontradas intactas, enquanto outras foram reconstruídas a partir de fragmentos que descrevem as cores vermelho, azul e ocre dos ambientes imperiais que podem ser visitados por pequenos grupos, no máximo 5 pessoas de cada vez para evitar danos nos afrescos delicados.

O Vaticano

Visitar a Basílica de São Pedro


Todos os dias cerca de 30.000 pessoas visitam a Basílica de São Pedro no Vaticano. A igreja mais importante e maior do mundo católico, onde as cerimônias celebradas pelo Pontífice, têm um valor artístico, histórico e religioso do mais alto nível. Por ordem do Papa Júlio II, a sua construção começou no dia 18 de abril de 1506 e foi concluída em 1667 no local onde surgiu uma de origem muito antiga, onde a tradição diz que São Pedro foi enterrado. Dentro da Basílica de São Pedro em Roma, podem-se visitar os Túmulos dos Papas, as Santas Grutas Vaticanas, o Museu Histórico Artístico (Tesouro de São Pedro) e a famosa Cúpula de São Pedro, que se pode aceder com um elevador.

O Túmulo de São Pedro e a Necrópolis estão localizados sob a Basílica de São Pedro, e deve fazer um pedido à Fábrica de São Pedro para visitá-los, geralmente com bastante antecedência.

As obras dos Museus do Vaticano


Nos Museus do Vaticano podem-se admirar jóias artísticas de valor incrível. A mais famosa é certamente a Capela Sistina, mas há também o Museu Gregoriano Egípcio, o Gregoriano Etrusco, a Pinacoteca com obras de Giotto e Bondone e as Salas de Raffaello, onde se podem admirar obras famosas do mestre como a Escola de Atenas e a Disputa (ou Discussão) do Santíssimo Sacramento. Para visitar os museus do Vaticano pode comprar os bilhetes online na página oficial do Vaticano.

Os Jardins do Vaticano 


Os Jardins do Vaticano nasceram como um lugar de descanso e meditação do pontífice e apresentam elementos arquitetônicos de grande importância artística e institucional para a Cidade do Vaticano. Ocupam uma grande parte dos Estados Pontifícios e abrigam bancos, jornais e Palácios Apostólicos. É necessário efetuar uma reserva para entrar nos jardins e visitar as suas belezas.

A biblioteca vaticana 


As instalações da Biblioteca Vaticana são acessíveis somente para pesquisadores e por motivos académicos, e abriga uma das coleções de textos antigos e raridades entre as maiores e mais importantes do mundo. Para informações detalhadas sobre horários, ingressos e visita aceda ao site do Estado Vaticano.

Teatro e Ópera

A temporada teatral e de ballet e música de Roma oferece sempre cartazes de grande interesse.

Para citar alguns dos teatros romanos mais importantes perto do nosso hotel: o Salone Margherita na via Due Macelli 75, com cartazes de variedades e vaudeville; o teatro Eliseo , com espetáculos de teatro clássico e contemporâneo; bem como o Teatro de Roma, no Largo Argentina; e o célebre e muito próximo Sistina, com apresentações musicais e televisivas.

Quanto à ópera e aos ballets, o Teatro dell'Opera di Roma na Piazza Beniamino Gigli, 7 oferece temporadas de ópera, dança clássica e contemporânea com inspiração internacional.

Não muito longe do Hotel Corso 281 localiza-se também o Auditorium Parco della Musica, que graças ao tamanho da bela estrutura projetada por Renzo Piano, tem uma grande variedade de ofertas de teatro, música e dança.

Para manter-se atualizado com a temporada de teatro, ópera e ballet em Roma, pode visitar a página dedicada a Roma no site Teatro.org

Basílicas e Igrejas

 Basílica de São João de Latrão

É definida a catedral da Itália e do mundo. Foi fundada pelo Papa Milquíades, nas propriedades dos Plauzi Laterani, doadas pelo Imperador Constantino ao pontífice, juntamente com o grande quartel dos equites singulares (a cavalaria pessoal do imperador), sobre as suas ruínas foi construída a Basílica. A igreja tem 5 naves, primeiro foi dedicada ao Salvador, depois aos Santos João Batista e Evangelista. Foi restaurada por São Leão Magno e por Adriano I, danificada por um terremoto em 896, foi reconstruída por Sérgio III em 905 e decorada por Nicolau IV em 1288-1292. Foi reconstruída várias vezes pelos papas Urbano V e Gregório XI e finalmente, Inocêncio X, em visita ao Jubileu de 1650, encarregou Borromini para remodelá-la completamente.

Basílica de São Paulo Fora de Muros


É também chamada Basílica Ostiense, a maior de Roma depois de São Pedro. Depois de Constantino, foi ampliada por Valentiniano e Teodósio, depois foi realizada por seu filho Honório. É uma basílica com cinco naves, divididas por 80 colunas, a maior igreja da Cristandade, antes do moderno São Pedro. A sua construção remonta ao século IV d.C., no local onde foi sepultado São Paulo. A basílica tem um campanário com 5 andares, os primeiros 3 com planta quadrada, o 4 octogonal e o último em forma de templo circular com colunas coríntias, foi construído por Poletti, em substituição ao anterior o românico-gótico, danificado pelo incêndio. Interessante no interior da basílica do teto de caixotões com rica ornamentação dourada num fundo branco, e um cibório de Arnolfo di Cambio, construído em 1285, um exemplo impressionante de arte gótica e apoiado por 4 elegantes colunas de pórfiro com capitéis de mármore dourado, e mosaicos de Pietro Cavallini contemporâneo de Giotto como claramente o claustro começado no início de 1200, pela família Vassalletto.

Basílica de São Clemente al Laterano

A igreja é dedicada a Clemente, o terceiro pontífice da história que, segundo a lenda, após ter sido exilado na Crimeia foi atirado ao Mar Negro amarrado a uma âncora. A basílica original, construída em 385, foi destruída em 1084 pelos normandos. Foi reconstruída em 1108 por Pasquale II sobre as duas igrejas anteriores, que foram redescobertas em 1857. Fachada: a entrada é formada por um alpendre do século XII, que leva a um quadripórtico com colunas jônicas. A fachada tardobarroca é a obra de Carlo Stefano Fontana; Planta interna: em forma de basílica; Naves com três absides; Presbitério: por cima da cripta está o tabernáculo sustentado por quatro colunas preciosas de “pavonazzetto”; Abside: grande mosaico da escola romana do século XII; Afrescos: Giuseppe Chiari, Masolino da Panicale.

Basílica de Santa Maria Maior
 
É a quarta das basílicas patriarcais de Roma, depois de São Paulo Fora de Muros, São Pedro e São João de Latrão. É também conhecida como a Libéria, porque identifica-se com uma basílica construída pelo Papa Libério no ponto que lhe foi indicado por uma queda de neve no verão, realmente também era conhecida como Santa Maria da Neve. Foi erguida pelo Papa Sisto III em 432, logo após o Concílio de Éfeso, que deu à Virgem Maria o título de Mãe de Deus. Nicolau IV refez a abside, Clemente X a fachada principal. O campanário românico de 1377, com cúspide piramidal é o mais alto de Roma com cerca de 75 metros. A basílica tem 3 naves, divididas por colunas de mármore e granito, com capitéis iônicos, tem um belo piso cosmatesco do século XII e um teto de caixotões atribuído a Giuliano Sangallo, e dourado, com o que foi o primeiro ouro chegado da América para a Itália. A basílica mantém tanto as memórias mais antigas, como os seus mosaicos famosos, assim como as modernas, a decoração da famosa Capela Paulina, ou Borghese.

Villas e Jardins

VILLA BORGHESE

Villa Borghese é o parque citadino mais famoso de Roma. No seu interior, está localizada a Galeria com o mesmo nome e na qual estão expostas algumas obras importantes, as esculturas de Antonio Canova, as pinturas de Michelangelo Merisi dito Caravaggio. Um pouco mais a sul, em frente à Piazza di Siena, onde todos os anos no mês de Maio, efetua-se a competição equestre de Roma, está o museu dedicado a Pietro Canonica, escultor e compositor nascido em Moncalieri em 1869

Na entrada do parque da Via Porta Pinciana pode alugar bicicletas, tandem, bicicletas de montanha, enquanto que no lago pode alugar pequenos barcos. Em Galoppatoio pode em vez subir de balão elétrico, onde vai apreciar um ótimo panorama geral do centro histórico.

A parte adjacente à Piazza del Popolo, o Pincio, é famosa em vez pelo seu panorama  sobre o Vaticano e o Monte Mario. A rota continua a partir de Piazzale Flaminio, na entrada principal do parque. Na adjacente Piazza del Popolo, a Igreja de Santa Maria acolhe internamente um património inestimável de arte, de Caravaggio a Pinturicchio. Prossegue-se a partir de Piazzale Flaminio, tomando o elétrico 225, que leva ao Museu Etrusco e à Galeria Nacional de Arte Moderna.

VILLA MEDICI

A villa, sede da Academia de França, a Trinità dei Monti, foi iniciada na segunda metade do século XVI e foi comprada em 1576 pelo cardeal Ferdinando de Médici. Os jardins que se desenvolveram ao longo das avenidas cercadas por sebes altas, são decorados com estátuas, sarcófagos e fontes.

Quando no século XVIII era a sede da Embaixada de Florença, na ocasião das festas foram ativados os esplêndidos jogos de água. Com a extinção dos Medici a villa  tornou-se propriedade dos governantes da Toscana e através dos mesmos de Napoleão Bonaparte, que fez dela a sede da Academia Francesa. Desde 1928 o edifício foi aberto ao público, alberga obras de arte.

VILLA DORIA PAMPHILI

A villa que se tornou em 1971 no maior parque público da cidade, é frequentada por apaixonados de jogging e donos de cães. O mais antigo no número 183 da Via Aurelia Antica, é o edifício dito Villa Vecchia, já existia quando Panfilo Pamphili o comprou em 1630.

A villa nova foi construída entre 1644 e 1652 por Algardi e Grimaldi, quando era  papa Inocêncio X Pamphili. As salas com ricos afrescos da villa, onde se entrava pela Via Aurelia 111, foram decoradas com uma coleção de estátuas, agora nos Museus Capitolinos. Seguiram-se alterações e ampliações da villa e novas construções até ao século XIX. Depois da guerra da República Romana em 1849, a vila foi unida à Villa Corsini e a entrada da Via di Porta San Pancrazio se tornou a principal.

VILLA D’ESTE


Villa d'Este, uma obra-prima do jardim italiano e considerado Património Mundial pela UNESCO, com a sua impressionante concentração de fontes, ninfas, grutas, jogos de água e música, constitui um modelo muito copiado nos jardins europeus do maneirista e do barroco. O jardim é geralmente considerado extraordinário na paisagem, artístico e histórico de Tivoli, que apresenta as ruínas importantes de moradias antigas como a Villa Adriana, como uma área rica em cavernas e cascatas, símbolo de uma guerra milenária entre pedra e água. As imponentes construções e os terraços sobre os terraços trazem à mente os Jardins Suspensos da Babilônia, uma das maravilhas do mundo antigo, enquanto que o abastecimento da água, com um aqueduto e um túnel sob a cidade, evocam a habilidade da engenharia dos romanos.

VILLA ADRIANA


A Villa Adriana em Tivoli foi construída desde 117 a.C. pelo Imperador Adriano como sua residência imperial longe de Roma, e é a mais importante e complexa Villa que permaneceu da antiguidade romana, sendo tão ampla como e mais do que Pompéia (pelo menos 80 hectares).

Junta-se às fileiras dos Monumentos do Património Mundial da UNESCO em 1999, a Villa Adriana, partilha com muitos outros sítios arqueológicos famosos do paradoxo de ser conhecida e escavada por mais de 500 anos, mantendo-se em grande parte desconhecida na sua substância.

A Villa Adriana viveu até ao final da Antiguidade, após ter sido saqueada por Totila, experimentou longos séculos de negligência, durante os quais  se tornou "Tivoli Velho", reduzida a tijolo vazado e mármore pela cidade vizinha de Tivoli e seu bispo. No final do século XV, Flavio Biondo identificou-a novamente como Villa do Imperador Adriano da qual falava a História Augusta, e, no mesmo período o Papa Alexandre VI Borgia promoveu as primeiras escavações no Odeon, durante as quais foram descobertas as estátuas de Muse atualmente sentadas no Museu do Prado em Madrid. Sua fama foi consagrada pelo Papa Pio II Piccolomini, que a visitou e descreveu-a nas suas narrações.
   

Galerias e Museus

 MUSEUS VATICANOS

O primeiro núcleo dos Museus Vaticanos foi a coleção de estátuas formada por Júlio II e colocada no «Pátio das Estátuas», hoje Pátio Octágono. Na sua forma de coleções artísticas ordenadas em edifícios específicos acessíveis ao público, os Museus e as Galerias Pontifícias têm origem desde Clemente XIV e Pio VI, e, portanto; primeiro chamava-se Museu Pio-Clementino. Pio VII ampliou-o muito juntando-o ao Museu Chiaramonti, a ala Nova e a Galeria Lapidaria.

Gregório XVI fundou o Museu Etrusco (1837), com as relíquias encontradas em escavações no sul da Etruria de 1828 em diante, o Museu Egípcio (1839) com os monumentos egípcios de explorações feitas no Egito e com as que estavam espalhadas em museus de arte clássica e também no Museu Capitolino, o Museu Profano de Latrão (1844), com estátuas, baixos-relevos, mosaicos do período romano que não poderiam ter lugar nos Palácios Vaticanos. No Museu Profano de Latrão, Pio IX em 1854, acrescentou o Museu Cristão, incluindo esculturas, especialmente sarcófagos e inscrições cristãs antigas, e mais tarde (1856-1869) duas salas de monumentos retirados das escavações de Ostia realizados em San Ercolano e S. Aurea; depois em 1866, pelo príncipe A. Torlonia in Porto. Sob o pontificado de São Pio X, em 1910, foi adicionada uma seção contendo 137 inscrições de antigos cemitérios hebreus de Roma, em grande parte do cemitério na Via Portuense e doado pelos proprietários Marqueses Pellegrini-Quarantotti. Estas duas coleções foram transportadas, por ordem de João XXIII, do Palácio de Latrão para um novo edifício construído de propósito no Vaticano; em 1970 foram reabertas ao público, sob o nome de Gregoriano Profano e Museu Pio Cristão.

GALERIA BORGHESE


O núcleo mais importante das esculturas e das pinturas na Galeria Borghese remonta  à coleção do cardeal Scipione (1579-1633), filho de Ortensia Borghese, irmã do Papa Paulo V e de Francesco Caffarelli, mas os acontecimentos dos próximos três séculos, entre perdas e aquisições deixaram muitas marcas.

A atenção do cardeal Scipione foi atraída para todas as obras de arte antiga, renascentista e contemporânea, destinadas a evocar uma nova era dourada. Não particularmente interessado na arte medieval, procurou em vez, com paixão, a escultura antiga. Mas a ambição do cardeal incentivou a criação de novas esculturas e especialmente os grupos de marmoreiros que se confrontavam com as obras antigas.

O retrato de Pauline Bonaparte Borghese, efetuado por Canova entre 1805 e 1808, está na Villa desde 1838. Em 1807, Camillo Borghese vendeu a Napoleão 154 estátuas, 160 bustos, 170 baixos-relevos, 30 colunas e vários vasos que compõem o fundo Borghese do Louvre. Mas já na terceira década do século XIX as graves lacunas parecem ter  sido preenchidas por novos materiais provenientes de recentes escavações arqueológicas e com obras recuperadas das adegas e de várias outras residências Borghese.


VITTORIANO


Também chamado de Vittoriano surge na Piazza Venezia. Foi erguido em pedra calcária branca em 1885 e inaugurado em 1911, mas a sua conclusão real levou quase vinte anos. Símbolo da unificação da Itália desde 1921 também foi considerado o altar da Pátria. Dois sentinelas de honra vigiam continuamente o túmulo do "Soldado Desconhecido", contendo os restos mortais de um soldado desconhecido que morreu na Primeira Guerra Mundial.


Uma enorme escadaria, ladeada por leões alados e duas Vitórias de bronze, levam ao altar da Pátria. O Altar da Pátria apresenta altos relevos de Angelo Zanelli com a estátua de Roma no centro. No meio do monumento está a estátua equestre gigantesca de Vittorio Emanuele II realizada em bronze por Enrico Chiaradia. Atrás o monumento é completado com o grande pórtico com colunas de 15 metros de altura e duas carruagens de bronze colossais com Vitórias realizadas por Carlo Fontana e Paolo Bartolini.

PALÁCIO ALTEMPS

O edifício atual é o ponto de chegada no Renascimento de uma série de edifícios que ocupavam a zona de forma contínua desde os tempos antigos.

Em 1568 o cardeal Marco Sittico Altemps dá à família do Cardeal Soderini, então proprietária do edifício, uma soma de 19.000 escudos tornando-se proprietário do edifício. Já no ano seguinte, iniciaram os primeiros trabalhos de limpezas e obras, que duraram cerca de três décadas.

Efetuam-se as decorações e os acabamentos, são adicionados e ampliados ambientes. Artistas como Lattanzio Bonastri, Martino Longhi, Pandolfo del Grande, Giacomo della Porta alternam-se na implementação das várias intervenções.

O arquiteto Francesco da Volterra verifica a execução dos acessórios internos, tais como molduras, portas, parapeitos, paredes, pisos, principalmente nos salões onde se realizam os tetos em madeira. Em 1695 fecha-se esta fase de transformações substanciais iniciadas por Marco Sittico Altemps.

VILLA FARNESINA


A Villa Farnesina está localizada em frente ao Palazzo Corsini na via della Lungara. Foi construída de 1506 a 1510 pela vontade do banqueiro de Siena Agostino Chigi. Com a morte do banqueiro esta villa passou por um período de declínio, durante o qual foi privada das obras de arte que mantinha. Em 1577 a villa foi comprada pelo Cardeal Alessandro Farnese. Desde então, ela é conhecida como Villa Farnesina. A villa é constituída por um bloco central com um alpendre com cinco arcadas e dois postos avançados laterais. O design do edifício é simples combina bem com o jardim circundante. Ao átrio do século XIX  juntou-se diretamente a Loggia de Psique, admiravelmente afrescada em 1517 pelos alunos de Raffaello.